Follow by Email

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Um desabafo...

 Eu nunca fui tão boa assim. 

Nunca liguei muito pra minha lição de casa que ficava na mochila, pra louça suja jogada na pia, pro prato sujo que deixei em cima da mesa depois de comer. 

Nunca liguei muito pra você me pedindo pra sair do computador, já me irritei quando você ficou atrás de mim tentando ver o que eu estava fazendo e já pedi pra você sair de perto...

 Já desviei dos seus abraços, já recusei um beijo teu. 

Te ignorei, demorei pra ir comer o jantar e te deixei irritada com isso.

 Reclamei da sua comida, mesmo você tendo feito com todo carinho e dedicação pra mim.

 Nem sempre tive o melhor comportamento e as melhores notas na escola e já disse que por mim eu não faria nada da vida. 

Fico trancada o dia todo no meu quarto. Quase não te dou atenção, quase não te dou bom dia, boa tarde ou boa noite. Fico na minha como se meu mundo fosse eu e mais eu, como se você não estivesse ali tentando cuidar de mim. 

Me desculpa? 

Me desculpa por ser assim?

 É o meu jeito rebelde de amar. 

 cada grosseria minha, talvez seja meu coração gritando “Eu te amo, mas sou rebelde demais pra demonstrar isso”. 

Me desculpa?

 Por ter te deixado falando sozinha, por não ter sido uma filha tão boa assim. 

Por amar desse meu jeito todo tolo, mesmo sabendo que se você morrer hoje, amanhã eu vou querer voltar atrás só pra recorrer a cada abraço que eu fugi, a cada beijo que eu recusei, mesmo sabendo que isso te machuca. 

Esse é o meu jeito. 


Me perdoa?

 E obrigada. Obrigada por não desistir de mim, mesmo eu sendo assim tão… eu.

 Eu te amo, mãe.

 Por mais que eu não saiba como demonstrar isso...

Eu te amo. 

Yasmin Fernandez. 

 

 

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Indiferença.


Palavra que  inferioriza, derrubando aquela mulher altiva.
                       Um sentimento de superioridade, uma arma tão poderosa...
                            Ora, como não querer saber o que a frieza daquele olhar paralizado grita nas entrelinhas?
Um abismo que ele criou, um silêncio que fere bem mais que todos os espinhos!
                                                          Mudam os silêncios recantados, mas a sorte não muda.
                                                Ela então se refugia nessa catarse do nada.
                             Não se lamente já que nada sentes.
Ela te vê longe, seu coração nem consegue mais ouvir o teu,
                                                                                       e agora, o que fazer? 
                                              Ahh, trasforma então esse desprezo em sonhos, esperança  e melodias.

                     Jaqueline Oliveira.


Beatles.

                                           




"The love you take is equal to the love you make"
                                                                                   

The End, dos Beatles.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Jean de la Bruyère

'll faut rire avant le bonheur, de peur de mourir sans avoir ri".
                 '(É necessário rir antes da felicidade, de medo de morrer sem ter rido)'  - Jean de la Bruyère

segunda-feira, 14 de maio de 2012

BOILEAU

"Du matin jusqú soir, qui nous défend de rire?"

                                       (O que nos impede de rir
                                                       desde a manhã até a noite?)
                                                                                             BOILEAU.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Falsa felicidade.

Afasta de ti essa falsa felicidade. O corpo é o reflexo da alma.

Jaqueline Oliveira.