Follow by Email

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Indiferença.


Palavra que  inferioriza, derrubando aquela mulher altiva.
                       Um sentimento de superioridade, uma arma tão poderosa...
                            Ora, como não querer saber o que a frieza daquele olhar paralizado grita nas entrelinhas?
Um abismo que ele criou, um silêncio que fere bem mais que todos os espinhos!
                                                          Mudam os silêncios recantados, mas a sorte não muda.
                                                Ela então se refugia nessa catarse do nada.
                             Não se lamente já que nada sentes.
Ela te vê longe, seu coração nem consegue mais ouvir o teu,
                                                                                       e agora, o que fazer? 
                                              Ahh, trasforma então esse desprezo em sonhos, esperança  e melodias.

                     Jaqueline Oliveira.


Um comentário:

Vanessa disse...

simplesmente lindíssimo...
Muitos parabéns