Follow by Email

sábado, 2 de outubro de 2010

Não se pode fugir...




Ele é daqueles amores raros que o destino só reserva à quem nasceu predestinado à felicidade.

Mas...e ela?
Ahh, quer tanto um amor que não se desgaste, onde mais se tem à medida em que se dá.

Daqueles em que não importa qualquer defeito, tornando-os diminutos à medida em que se vê.

Com certo brilho no olhar e um leve frio na barriga, ficando boba com cada gesto de carinho, observando-o sem que ele sequer perceba.
Em que possa ser ela mesma, sem medidas, reservas e algemas.

Não combina com ela não é mesmo!?
Quem disse que não?
Talvez ela só não soubesse da existência dessas sensações e vontades, então o destino se prontificou.

E parece que...enfim.
Bom demais.

Sua sensatez não permite que seja tola, mas o bem querer tomou de conta permitindo que enlouqueça.

Como???
É, enlouqueça.
De felicidade, desejo, talvez amor e de certo muita saudade.

Mas o tempo não pára, e essa saudade vem como a fome.

Há quem diga que pela saudade se mede o amor.
Será?!!!
Ai, ai...que medo.

E como ele só vem na segunda, domingo à noite ela já começa a sorrir.

Jaqueline Oliveira.





Nenhum comentário: